A Congregação das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família nasceu como fruto da dedicação total a Deus e serviço de amor ao próximo de cinco jovens: Rosa Roccuzzo, Giovanna Giaquinta, Giuseppa Inzinga, Cristina Inzinga e Arcangela Salerno. Entre elas, Rosa Roccuzzo foi a inspiradora e Arcangela Salerno a realizadora da obra e a primeira Madre Geral.

 

 

História da Fundação

A inspiração originária que deu vida na Igreja à Congregação das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família germinou na alma simples de uma jovem italiana da Sicília, na cidade de Monterosso Almo (RG): Rosa Roccuzzo (1882 - 1956), cuja existência foi inteiramente marcada por uma profunda vida interior e por um incansável e heróico serviço aos pobres. “Caminhando pela sua cidadezinha via as crianças sem instrução cristã, os pobres sem o mínimo necessário para viver, os doentes sem assistência: toda manhã participava da celebração eucarística e pedia a Deus nas suas orações que a ajudasse a fazer o bem...” afirma uma testemunha direta.

Com extraordinária energia interior, Rosa logo consegue envolver na sua operosa caridade outras jovens da sua cidade: Giovanna Giaquinta (1884 – 1934), as irmãs Cristina Inzinga (1876 – 1946) e Giuseppa Inzinga (1878 – 1976) e logo depois Arcangela Salerno (1884 – 1967) que, por desejo unânime do grupo, se tornaria a primeira Madre Geral da Congregação.

Com o passar do tempo, a medida que o serviço em favor dos pobres ia absorvendo cada vez mais os pensamentos e as energias das cinco jovens, toma consistência no coração de Rosa, e através dela, no coração das suas companheiras, um projeto muito audaz: potenciar e dar forma estável ao serviço de caridade que elas já estavam realizando dando vida a uma nova família religiosa em Moterosso Almo, pequena cidade da Sicília, na Itália.

Ao amanhecer do dia 2 de fevereiro de 1908, vencendo todo tipo de indiferença dos familiares e conhecidos e com a guia paternal de Padre Carmelo Giaquinta (1862 – 1937), pároco de Monteroso Almo, as cinco jovens deram a forma concreta de estabilidade ao santo ideal delas, decidindo viver embaixo do mesmo teto: uma casa que lhes foi dada em uso por uma rica senhora da cidade.

Oração, presença entre os pobres, trabalhos sobre encomenda (costura, bordado, doces,...) para a própria subsistência e para a dos assistidos ocupam totalmente a jornada desta primeira comunidade, que vive no espírito da Família de Nazaré, sob cuja proteção quiseram se estabelecer.

O paradigma da vida delas se torna então aquele invocado a cada dia com a oração à Sagrada Família: “… Jesus, José e Maria, fiquem no meio de nós e a nossa família espiritual se tornará como aquela de Nazaré, a casa da paz, da oração contínua, da humilde obediência e da perfeita caridade...”.

O espírito desta oração marcou tão intensamente o modo de sentir e de viver a vida comunitária dessas primeiras freiras a tal ponto que, passou a constituir o título caraterístico que distingue a nova família religiosa das outras Ursulinas, espalhadas pelo mundo.

A nova família religiosa foi canonicamente erigida pelo Arcebispo de Siracusa Mons. Luigi Bignami (1862 – 1919) no dia 10 de novembro de 1915 com o título de CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS URSULINAS DA SAGRADA FAMÍLIA.

Depois de poucos anos, e precisamente em 1923, a Madre Arcangela Salerno, respondendo a um pedido do Arcebispo de Siracusa Mons. Giacomo Carabelli (1886 – 1932), dá início a missão das Ursulinas na cidade de Siracusa, lugar que se tornou o ponto de irradiação para metas mais longínquas, mas sobretudo  o lugar onde se desenvolve com maior transparência a consciência da missão das Ursulinas da Sagrada Família na Igreja. É na própria Siracusa, por ordem explícita do Arcebispo Carabelli, que a nova família religiosa é chamada a atender a um outro gênero de pobreza, menos vistoso mas mais radical e insidiosa: aquela relativa à formação integral da pessoa através da educação.

Consequentemente a escola se torna o serviço prioritário da Congregação, uma escola que pretende unir a atenção à dignidade e ao desenvolvimento de toda a pessoa, segundo o estilo mericiano (de Santa Ângela Merici), com a consciência de que o saber humano iluminado pela fé pode se tornar sabedoria de vida.

 

 

Fonte:http://www.angelamerici.it

 

 
Irmãs Ursulinas da Sagrada Família

Somos as Irmãs Ursulinas da Sagrada Família, chamadas, por especial vocação, a tornar presente, no mundo, a mensagem de Cristo, por meio de uma vida contemplativa e apostólica, dedicada a educar na fé a juventude, e a servir, humildemente, os irmãos. Nossa Congregação teve origem na Sicília, Itália, em Monterosso Almo, onde no ano de 1908, cinco jovens mulheres, com a audácia que somente o Amor pode gerar, davam vida ao primeiro núcleo de uma nova família religiosa na Igreja: as Ursulinas da Sagrada Família. Com o nome Ursulinas, destacou-se a inserção na Espiritualidade de Sant'Ângela Merici, que pautou sua vida no exemplo de Santa Úrsula, virgem e mártir, e nos legou características da consagração radical a Deus e à maternidade espiritual. Com a expressão "Sagrada Família", destacou-se a importância de formar, juntas, uma família, na qual os vínculos do Espírito se traduziam no modelo da família de Nazaré, partilhando o cotidiano de vida, de oração, de caridade e de humildade trabalho. O nosso serviço Apostólico, especialmente o educativo, desenvolve-se na Itália e no Brasil, em escolas, catequese, pensionatos universitários, acolhida a peregrinos, obras promocionais e assistenciais, animação de grupos jovens.

O Papa João Paulo II e as Irmãs Ursulinas

 
Instituto Dona Placidina

O desejo de divulgar o carisma da Congregação do outro lado do mundo, há muito tempo no coração das Irmãs Ursulinas, se tornou praticamente uma necessidade em resposta aos estímulos do Concílio Vaticano II e pode realizar-se naquele período graças aos contatos entre o Bispo de Mogi das Cruzes (SP) Dom Paulo Rolim Loureiro e a Comunidade Ursulina de Roma.

Dom Paulo Rolim Loureiro acolheu as Irmãs Ursulinas na sua diocese e as guiou paternalmente, entregando a elas a direção de uma escola, o INSTITUTO DONA PLACIDINA

Há mais de 40 anos, as Ursulinas dirigem esta escola de Ensino Fundamental e de Educação Infantil, que através dos anos cresceu muito e se tornou uma das escolas mais qualificadas da cidade. Após numerosos pedidos da população, a partir de 2008, o Instituto Dona Placidina estendeu a sua atividade educacional também ao Ensino Médio.

Em integração ao serviço escolar, o Instituto D. Placidina proporciona às alunas economicamente menos favorecidas, duas unidades de semi-internato que garantem às meninas uma alimentação saudável, aulas de reforço escolar e cursos extracurriculares como música, canto e outros. 

Além do setor educativo, a presença das Irmãs Ursulinas nas zonas periféricas da cidade foi e continua sendo muito ativa e rica de iniciativas, nos vários setores da promoção humana e da pastoral cristã. 

Instituto Dona Placidina


Educação Religiosa


"Nossa missão é uma tarefa de esperança e uma fonte de alegria, já que é ligada ao crescimento da vida. Essa obra exige tempo, luz e a força de Deus." (Santa Ângela Mérici)


A Educação Religiosa promovida pelo Instituto Dona Placidina visa propiciar o crescimento dinâmico da espiritualidade de nossos alunos, pais e educadores segundo os ensinamentos evangélicos escritos pela nossa fundadora Santa Angela Mérici. Independentemente de suas crenças ou orientação religiosa, todos dentro do âmbito escolar, são convidados a agir como seres humanos agentes de transformação da própria realidade. Por isso, a formação recebida em sala deve ir além dos muros da escola e é transformado-se em doação e serviço solidário. Todo este trabalho representa a missão das Irmãs Ursulinas da Sagrada Família que coordenam esse trabalho educacional. Portanto, todos os educadores assumem o mesmo carisma ursulino: servir ao próximo a partir da prática das virtudes cristãs! Aulas de Ensino Religioso



O Ensino Religioso, através de seus conteúdos, proporciona a aprendizagem processual, progressiva e permanente dos elementos básicos que compõem o fenômeno religioso. Esses conteúdos, numa seqüência cognitiva e respeitando as características próprias dos educandos em cada série, faz parte dos eixos organizadores da Educação Religiosa: culturas e tradições religiosas, teologias, textos sagrados e ritos que se sustentam na diversidade.



Encontros de Formação
Momentos criados e abertos à discussão e a vivência prática, visando garantir a formação sob todos os aspectos humanos e espirituais, com alunos, pais e professores.



Celebrações
Faz parte dos inúmeros momentos promovidos pela escola: Dia dos pais, Dia das Mães, Acolhida dos Alunos, Páscoa, Festa de Santa Ângela, Natal, Festa do Divino, Encontro de Espiritualidade no Sítio da Escola, Novena de Natal com os professores, Chá das Avós, Reunião de pais, Celebrações Eucarísticas mensais na Catedral de Mogi das Cruzes... Todos esses momentos devem garantir a formação da espiritualidade, oportunizando uma aproximação com o transcendente.



Trabalho Voluntário
O trabalho voluntário desenvolvidos pelos alunos do Instituto Dona Placidina é caracterizado como uma atividade não remunerada, em que a pessoa dedica seu tempo, trabalho e talento a projetos de cunho cívico, cultural, educacional, científico, recreativo ou de assistência social. Sendo assim, o voluntário é um agente de transformação que atua em benefício da comunidade. Atualmente esse trabalho vem sendo desenvolvido nas seguintes Instituições: Irmãs Ursulinas da Sagrada Família; Instituto Amor Misericordioso; Asilo São Vicente de Paula e Educação Infantil Instituto Dona Placidina.



Pastoral Escolar
A pastoral escolar visa uma educação pautada na solidariedade e na socialização das pessoas, busca mostrar que ser cristão é se comprometer com o meio social. A pastoral deve levar-nos ao processo de formação e trabalho voluntário dentro da escola, sendo esta humanizadora. Portanto é um serviço que articula espaço de vivência dos valores humanos, sociais e religiosos, oferecendo oportunidade de expressão da fé para todos os membros da comunidade educativa, tendo por característica principal ser uma pastoral de escuta e oração.

Pastoral Escolar Santa Angela Merici